5 sinais de que ele não é o amor da sua vida 

Dia dos namorados, amor, alegria, tudo parece lindo – tirando que você não conseguiu um único restaurante para comer aquele risotinho maroto com a pessoa que hoje você chama de amor.

Digo hoje porque tudo pode mudar amanhã. Ou, como diz a Band, em 20 minutos. Às vezes não precisa nem esperar o dia seguinte.

Como estou de muito bom humor, resolvi separar cinco diquinhas para que você veja se o cara que está ao seu lado no trailer de hambúrguer, único lugar com vagas na cidade, é realmente o homem da sua vida.

Mas já vou adiantando: se você tem mais momentos com o cara nas redes sociais do que na vida real, se as pessoas que te seguem sabem mais do seu relacionamento que o próprio bofe, ele não é o cara da sua vida.

Dito isso, vamos lá:

#1 O clima fica estranho quando o papo é “novas descobertas no transplante de cabeça”

Insira nesse subtítulo qualquer outro assunto trivial. Coisas que não são do dia a dia de um relacionamento. O sentido é mostrar que você tem que gostar de conversar com a pessoa com quem se relaciona. E precisa gostar disso agora.

Sabe por que? Um dia você vai olhar pro lado e ver uma pança de cerveja no lugar daquele tanquinho fitness (ou esteja vendo desde já e achando isso super fofo, o amor tem disso). A beleza vai acabar como a paz do Sérgio Moro. Sexo vai ser uma coisa tão fora da realidade que você sofrerá fortes emoções ao ver um beijo mais quente na TV.  

Ouso dizer que, pelo andar da humanidade, chegará o dia em que você não se lembrará como foi parar do lado daquele sujeito.

E, em todos esses casos, minha flor, te sobrará a conversa. A companhia. Aquela pessoa com a qual você pode discutir horas a fio sobre como os médicos são loucos de tentar transplantar uma cabeça, mesmo que o único transplante do qual você já ouviu falar (ou participou) foi tirar a mudinha do vaso para colocar na terra. 

Só que esse interesse repentino na conversa não vai rolar de forma mágica quando faltar energia e você ficar sem TV. Se hoje você não se empolga em conversar sobre assuntos triviais com ele, ele não é o homem da sua vida.

E se ele age da mesma maneira em relação a você, ele não é o homem da sua vida.

#2 Você não tem uma música que te faz lembrar dele

Tenho uma música preferida pra cada pessoa e/ou situação na minha vida. Sempre falo: “essa música me lembra aquele dia ou aquela pessoa”. Minha memória musical é bem boa e, na maioria das vezes, não faz sentido algum.

Um exemplo: Man Overboard, do Blink 182, me lembra o Kimi Raikkönen.

Mas tenho uma seleção musical, playlist completa, que me lembram o meu homem da vida, e ninguém mais. Memória musical é importante porque, como você pode ver nas grandes histórias de amor, é a trilha sonora que embala a vida. Se você não tem sequer uma musiquinha, por mais mequetrefe que seja, para lembrar do cara, ele não é o homem da sua vida.

E se ele também não tem nenhuma música pra se lembrar de você, ele não é o homem da sua vida.

(PS: o homem da minha vida não é o Kimi Raikkönen) 

#3 Você não acha graça nas coisas que ele faz/não quer contar dele para sua família

Eu amo o Jesse Pinkman. Amo de paixão. Quem assistiu Breaking Bad sabe que o emprego dele não é dos mais triviais. Mas a personalidade dele, o jeito dele, a forma com que conduz seus objetivos de vida são tão fodas que, se eu namorasse com Jesse Pinkman, soltaria no almoço de domingo:

– Meu namorado é responsável por produzir a melhor metanfetamina do mundo e tem um chefe do caralho. 

Não é sobre ter vergonha de mostrar seu namorado paras amigas, porque, se você está nesse patamar, provavelmente tem 14 anos e as chances são de 0,5 em 1 milhão de que você tenha encontrado o cara da sua vida. O negócio é se interessar pelo cara depois que ele sai da sua casa, durante a ida ao cinema nessa semana e o teatro na próxima, pra lá do jogo de futebol, que faz dele o melhor jogador do mundo. Se ele estiver super feliz organizando arquivos em uma repartição pública e você não divide essa alegria com ele, ele não é o homem da sua vida.

E, se ele não tem interesse – ou tem vergonha – pelo que você faz, ele não é o homem da sua vida. 

#4 Você tem preguiça dele quando vocês divergem opiniões

Sabe aquele seu amigo que discorda de absolutamente tudo o que você fala, mas que você ama do mesmo jeito? Amizades são relacionamentos com potencial para o título de ad eternum. Quando você encontra o cara da sua vida, esse será um relacionamento ad eternum também.

Então, se você fica #chatiada toda vez que sabe que ele vai discordar de você, mesmo tendo argumentos que poderiam te fazer fortalecer ou até mudar sua opinião, se fica com preguiça de ouvi-lo e pensa em qualquer outra coisa quando ele está falando, sempre encerrando o papo com um “aham”, só pra evitar ouvi-lo ainda mais, ele não é o homem da sua vida.

E, se ele age dessa forma com você, ele não é o homem da sua vida.

#5 Você acha que só será feliz com ele. E ninguém mais.

Essa é a parte mais fácil de explicar porque ela é a mais triste: se você acha que só poderá ser feliz com esse cara, pare e repense a relação.

A felicidade é uma construção diária, uma consequência de algo criado e nutrido. Ela depende necessariamente de você para existir em você, e não depende nem um pouco da outra pessoa na relação.

Quando o relacionamento é saudável, você vai se pegar entendendo que é feliz com o outro. Quando é abusivo, você pensa que nunca mais será feliz com mais ninguém, a não ser com aquele sujeito ali.

Ora, minha amiga, você pode acordar amanhã sem sentir um pingo de vontade de estar com aquele homem (e ele também), ele pode morrer atropelado por uma vaca (e você também), existem boas chances de que vocês dois não morram juntos e velhinhos numa cama à beira-mar. Tragédias da vida, não? Algumas momentâneas, outras nem tanto.

Por mais que você tenha calafrios só de pensar em coisas mórbidas (acredite, eu também tenho, apesar de fazer piadinha), você tem que estar em uma relação em que tenha consciência plena de que a sua felicidade está em você e pode ser reconstruída a qualquer momento. Isso não te impede de compartilhá-la com o outro ou de aceitar que ele também te faça muito feliz. Mas vocês não são metades que se completam, vocês são inteiros que se encontraram e caminham juntos por um espaço de tempo. Que, se ele for o homem da sua vida, essa completude complementada se estenderá por toda a vida. Mas, se não for, você saberá.

E saberá que você é a mulher da vida dele se ele também enxergar as coisas dessa forma.

Se não, ele não é o cara pra você – e nem você é a mulher pra ele. Após terminar seu x-bacon nesse trailer fedorento, pague a conta e mude de namorado.

4 Comentários
  1. avatar image
    Iara at 12 de junho de 2019 Responder

    Aaaddooorreeiii , Lila ….muito bom… quando crescer quero ser como você…

  2. avatar image
    Paty at 12 de junho de 2019 Responder

    OLHA A FÃ LOUCA AQUI, GENTE!!! Eu já falei que amo tudo que você escreve? Já, né? La, você é demais, mulher! Preciso recomendar esse texto só pra todas as mulheres que conheço, como faz? Ri muito imaginando as cenas e também me emocionei porque né… já estive com pessoas que me fizeram sentir várias das coisas que você descreve. Mas percebo que o embate fica sempre no número 4, hahah! Eu quero alguém que me entenda e não me dê preguiça, mesmo pensando diferente, kkk! Porque, na moral, tem umas coisas aí que não dá pra engolir… esse é realmente um indicativo essencial. Acho que posso contar nos dedinhos de uma mão os caras que não me deram preguiça, mesmo divergindo da minha opinião. Eita dureza! E eu poderia ficar mais tempo aqui comentando porque eu amei mesmo, mas prefiro ir lá no insta compartilhar e coisa e tal. Beijo grande!

    1. avatar image
      Lais Menini at 18 de junho de 2019 Responder

      Paty, eu me casei com o primeiro homem de quem não tive preguiça, mesmo divergindo! Hahahaha o exemplar é raro, mas existe. Pode ficar tranquila que você ainda acha. ;p

Deixe um comentário

Assine a newsletter!

Deixe seu e-mail e você receberá o Literama em sua caixa de entrada!