Dicas para começar a escrever

Baseadas em uma newsletter da Curtis Brown

Algumas pessoas têm uma urgência natural para a escrita, conseguem sentar em qualquer lugar e logo vem uma ideia. Para outras (a grande maioria, aliás), esse processo tende a ser um pouco mais difícil. Escrever é um exercício de paciência até que as palavras que colocamos no papel façam algum sentido.

E, pra completar, existe o tal do bloqueio criativo – esse velho amigo da folha em branco. Tente aí: se comprometa a escrever algo hoje às 16h, aguarde chegar esse horário, abra o caderno ou o editor de textos e… aguarde.

Aguarde.

Aguarde. 

As ideias parecem fugir sempre que precisamos delas. Talvez seja por isso que Douglas Adams disse, com muita propriedade, que

“nenhum escritor gosta tanto de escrever quanto de ter escrito”.

Super concordo! Gostar de escrever é isso mesmo: a vontade de verbalizar ideias em constante conflito com a forma como isso deve ser feito. É por isso que esses textos com dicas para começar a escrever são sempre bem-vindos: qualquer hackzinho que possa nos tirar dessa angústia é melhor que nada!

Vou elencar aqui embaixo uma série de dicas que eu recebi como assinante da newsletter da Curtis Brown, uma editora gringa que publica uma série de autoras massa, incluindo Jojo Moyes e Marian Keyes.

Eles sempre mandam e-mails com conteúdo muito rico – sempre em inglês – e que de fato fazem sentido para quem gosta de escrever. Então, ao ler as dicas abaixo, pense o seguinte: não é a Laís que está falando, mas a Curtis Brown! Ou, pelo menos, a pessoa que escreve suas newsletters. ;p 

#1 Aposte na escrita livre (#freestyle)

Uma forma de dar um pontapé inicial no hábito de escrever todos os dias é se dar a tarefa de escrever livremente. Sente-se na frente do computador, ou do papel e caneta, e coloque o alarme para tocar daqui a dez ou quinze minutos. Durante esse tempo, escreva o que vier à mente. 

Se achar isso difícil, utilize um estímulo externo, como a imagem de uma revista, o destaque de um site ou até a paisagem. O importante é escrever sem parar pra pensar no que; é deixar fluir. Nesse objetivo, não se deixe empacar para fazer correções ou edições durante o texto. Siga o fluxo. 

Se você está trabalhando em um romance ou projeto de escrita mais longo, use a escrita livre como forma de “aquecimento”, fazendo esses quinze minutos antes de entrar de cabeça no seu trabalho. Aproveite o embalo para não perder a criatividade e a produtividade.

Você também pode utilizar um ponto de partida e deixar vagar a partir daí – tal como na oficina de escrita literária que já comentei por aqui ou no livro Sobre a escrita, de Stephen King: basta uma frase, um pontapé, e você pode escrever loucamente a partir daí. Sem julgamentos!

Algumas possibilidades:

  • Ele sabia que ela nunca ia voltar.
  • O silêncio era a coisa mais estranha.
  • Era a raposa de novo, aquela da perna manca.
  • Denise não gosta de ficar sozinha com seus pensamentos.
  • Foi a festa que acabaria com todas as festas.
  • Ela se inclinou para virar a chave. 

#2 Utilize objetos ao redor como fonte de inspiração

Quando estamos em casa, temos a oportunidade de redescobrir as muitas coisas que nos cercam e das quais nos esquecemos no dia a dia. Objetos que, aparentemente, não nos dizem nada podem servir de fonte de inspiração para o processo de escrita. 

Preste atenção em roupas, itens de escritório, da estante… por falar em estante, às vezes pegamos um livro e, dele, cai um pedaço de papel, uma anotação ou até uma flor já seca. Use tudo isso como ferramenta criativa.

Nesse caso, o ideal é buscar memórias afetivas, narrar o que essas coisas te lembram, em um dia específico da sua história. Pegue um dos presentes criativos que você ganhou de alguém especial, por exemplo, e escreva qual foi a sensação de tê-lo, o que esse objeto te provoca.

Essa é uma dica para começar a escrever com riqueza de detalhes – e todo mundo sabe que poucas coisas são mais difíceis de colocar no papel que uma cena bem feita!

#3 O caderno de observação

Essa dica aqui eu já sigo instintivamente, sem precisar lê-la em newsletter, há muitos anos. Mas, em vez de chamá-la de caderno de observação, eu a chamo de caderninho de ideias.

Todo mundo que gosta de escrever deve levar consigo um caderninho, um bloco, o que for, para fazer anotações que surgem à mente do nada e que podem (ou não) ser interessantes no futuro. Além de treinar a escrita livre em tempo real, algumas das anotações podem se tornar grandes projetos no futuro.

E, se você não anotá-las, corre o risco de esquecê-las para sempre! Já pensou?

dicas para escrever

O mais legal de ter um caderninho de ideias é pegá-lo de tempos em tempos para ler e descobrir a evolução dos nossos pensamentos e redação ao longo do tempo. Eu guardo todos os meus em uma caixinha de sapato. Um dia terei um baú só disso!

#4 Querido diário

Você não precisa parar no bloquinho de anotações, se não quiser. Por que não começar um diário? Por mais piegas que isso possa soar, lembre-se: é de diários escritos ao longo dos anos que biografias são escritas, filmes são feitos e até crimes são revelados…

Nesse período de isolamento pelo qual estamos passando, nossas observações tendem a ficar mais específicas. Olhamos com outros olhos aquilo que sempre esteve ao nosso redor e descobrimos outras coisas interessantes sem sair de casa. Manter um “diário do isolamento” pode ser uma forma de fazer com que novas ideias surjam de forma natural.

O “diário de isolamento” mais famoso do mundo abre a mente de milhões de pessoas desde que foi escrito e ainda vai impactar muitas gerações. Já pensou se o seu alcança essa voz (sem o final trágico, por favor)?

Concluindo…

A escrita é como qualquer outro trabalho: exige habilidade técnica, agilidade de pensamento e muita criatividade. Não é preciso pagar milhões de reais em cursos relacionados à atividade para começar a escrever como hábito: aquilo que nos cerca pode ser uma baita fonte de inspiração.

Diz aí: qual dessas dicas você já segue – e quais não estão na listinha da Curtis Brown e que você me indica? Vamos nos ajudar a escrever sempre mais e melhor. 😉

Deixe um comentário

Assine a newsletter!

Deixe seu e-mail e você receberá o Literama em sua caixa de entrada!