O que comer enquanto lê?

Cada um tem um lugar preferido para a leitura. Eu gosto muito do ambiente de café. Embora não tenha grana para viver dentro desses lugares, me sinto super bem quando estou em uma mesa ou sofá de café-livraria e me deixo levar pela leitura, as bebidas e as coisinhas gostosas de comer que esses lugares tem.

Já até contei sobre minha vontade de fazer um restaurante-livraria. Para mim, tem tudo a ver juntar dois grandes prazeres, que é a comida e a leitura, em um só lugar.

Mas a verdade é que, se pararmos para pensar, as duas coisas não combinam. Pelo menos não em uma rotina diária. Comer e ler, ao mesmo tempo, não dá certo, em nenhum contexto: nem no livro físico, nem no tablet ou Kindle…

Os motivos são os mais variados:

  1. Mãos sujas sujam livros (e dispositivos eletrônicos);
  2. Comida suja o livro;
  3. Manusear livros significa sujar as mãos, não importa se o livro é novo ou já usado – e comer com a mão suja não dá.

Isso sem contar que vários especialistas, principalmente em nutrição, dizem que, quando a gente não presta atenção no que está comendo, se esquece de mastigar os alimentos da forma correta. Isso pode significar má-alimentação. Na maior parte das vezes, eles dizem, quando não damos atenção à refeição, qualquer que seja ela, não só não a apreciamos com a devida consciência – ou seja, não saboreamos a gostosura à nossa frente – como, também, tendemos a comer mais.

A leitura é uma atividade que deixa o cérebro ativo, mas não podemos, como dizem os antigos católicos da minha cidade natal, “desvestir um santo para vestir o outro”. Não dá para acelerar o cérebro e fazer mal para o corpo, como um todo, dando margem para maus hábitos alimentares.

Mas e o café?

Depois de todo esse sermão “anti-comida” com a leitura, pode parecer esquisito falar isso, mas eu acho que café não tem problema. Aliás, café, chá e outras bebidas quentes de sua preferência até complementam o momento da leitura.

Minha explicação – não-científica – é: o café está em uma xícara, ou seja, a gente não manuseia a bebida diretamente com as mãos, como fazemos com os livros e os tablets de leitura. Assim como o chá.

E por que bebida quente? Porque tendemos a ser mais cuidados com as bebidas quentes, justamente porque a temperatura elevada pode nos machucar. Assim, não vamos nos desleixar com facilidade ao colocar a xícara de bebida na mesa e nem vamos – ou, pelo menos, não devemos – tentar equilibrá-la no colo, ou no braço do sofá, o que poderia causar um acidente, para a gente e para o livro.

Além disso, é uma bebida que não se toma de uma vez. A gente toma um pouquinho, lê, toma outro pouquinho e por aí vai. As atividades – de beber e ler – se complementam.

Bebidas frias, como água, refrigerante, suco, cerveja, já podem não ser tão indicadas assim, porque elas não nos trazem a urgência da precaução. Derramar um copo de água é menos pior do que uma caneca de café. Exatamente por isso, água não pode ficar perto de livro. ;p

Se você chegou até aqui, deve estar se perguntando porque eu tirei um tempo para falar coisas tão… óbvias.

O negócio é: os livros, principalmente os físicos, não servem só para a nossa leitura. Se você pega um livro emprestado em uma biblioteca, ou pede a um colega, ou se comprometeu a emprestá-lo para alguém depois, divide a mesa dele com uma torta de chocolate que suja as páginas, ou uma coxinha que deixa sua mão toda engordurada, enquanto você folheia o material, isso vai para a outra pessoa.

É anti-higiênico, não é saudável e, para fins de romantismo, é extremamente desrespeitoso com o livro! Imagine: uma edição que foi impressa muito antes de você nascer, ter uma marca de dedo de manga só porque você não se conteve na hora do lanchinho…

Mesmo que esse livro não seja feito para ser compartilhado, é sempre melhor guardar um livro que não vá atrair formigas, insetos e outras pequenezas que estejam procurando por seus restos de comida, certo?

Então, se você realmente quiser comer e ler no mesmo ambiente – como eu confessei que faço; todos nós temos pecados, certo? –, cuide do seu patrimônio e da sua saúde. Lembre-se que o livro é, por natureza, algo sujo, e que manuseá-lo enquanto come pode te trazer um probleminha ou dois. E, do lado contrário, o livro só te pede atenção, e não vale-alimentos.

Ele não quer comer o que você come, então deixe-o te saciar sem receber nada em troca. ;p

“E sobre as pessoas que marcam os livros, Laís, o que você acha delas?”

Amo/sou uma delas e deixo esse papo para outro momento, porque sei que é um assunto polêmico e merece um texto só sobre isso.

Por enquanto, ficamos por aqui e seguimos na programação normal de hoje: fazer um lanchinho logo mais e, depois de lavar as mãos, pegar o livro para continuar a leitura.

Eu posso. Eu consigo. Eu vou.

Repita o mantra quantas vezes forem necessárias; eu sei que estou repetindo.

7 Comentários
  1. avatar image
    Lari Reis at 14 de março de 2019 Responder

    Às vezes, eu como pipoca enquanto leio. É… Eu sujo as mãos e pego as pipocas quase sempre esbarrando os dedos sujos na minha boca e depois devolvo isso ao livro/kindle. Ainda bem que não faço sempre, rs

    Gostei da reflexão sobre bebida quente x bebida fria!

    Enquanto lia, planejava perguntar sobre marcar livros e também sobre depois emprestá-los. Quando comecei a pensar nisso, mudei um pouco a forma de fazer anotações para deixá-las menos reveladoras, digamos assim. Vou aguardar feliz o post sobre esse assunto…

    1. avatar image
      Lais Menini at 14 de março de 2019 Responder

      Menos reveladoras? Isso é algo que eu nunca pensei! Sempre o contrário! Hahaha

      Me conta mais sobre isso?

      1. avatar image
        Lari Reis at 14 de março de 2019 Responder

        Bom, tem alguns livros em que eu já marquei “vivi algo parecido” ou “também conheço esse drama”(mas sendo um pouco mais específica – usei exemplos bem genéricos). E depois pensei que eram coisas que eu não queria que alguém descobrisse sobre mim por um livro emprestado.

        No fim das contas, porém, o livro que mais tem anotações assim é o meu favorito da vida , “Os quatro compromissos”, de Don Miguel Ruiz. E esse eu não emprestaria! Já até comprei outro exemplar pra presentear quem me pediu emprestado.

  2. avatar image
    Julis at 14 de março de 2019 Responder

    Amei a reflexão!
    Penso exatamente igual e sempre escolho um chá ou um café para me acompanhar na leitura – com o livro sobre uma mesa pra evitar qualquer tipo de acidente. Sou desastrada, me conheço e sei que eu sujaria um livro ao menos sinal de comida perto.
    Pra dizer bem a verdade, nem acho bonito a gente ler batendo um pratão de comida, acho que tira toda a beleza do ato de saborear o livro e sua história.

  3. avatar image
    Carla at 30 de abril de 2019 Responder

    Achei super interessante encontrar o seu texto! Estou iniciando meu próprio blog para falar sobre comida e leitura e reflexões sobre a vida…e suas ideias me ajudaram . Gostei do destaque para a necessidade de lavar as mãos e respeitar o livro. =) Estarei de olho em outros textos. Obrigada!

    1. avatar image
      Lais Menini at 2 de maio de 2019 Responder

      Oi, Carla!
      Seja super bem-vinda. 🙂
      Vou ler seu blog também – se for um endereço diferente do Medium, deixa o link aqui!

      Um beijo!

Deixe um comentário

Assine a newsletter!

Deixe seu e-mail e você receberá o Literama em sua caixa de entrada!